Sociedade

Saúde em Goiânia instala corredor da morte

A Comissão Especial de Inquérito (CEI), que investiga irregularidades no serviço de Saúde da capital, decidiu continuar seus trabalhos no Cais Finsocial. A reunião será realizada nesta quinta-feira (8), às 19h, com a presença da vereadora Cristina Lopes e membros da comissão, juntamente com os servidores da unidade e moradores da Região Noroeste.

A medida foi tomada de última hora, para agilizar o andamento das atividades da CEI, visto as denúncias sobre a máfia da Saúde e a inércia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), além de verificar in loco a situação deplorável na qual se encontra o atendimento e as condições de trabalho dos servidores do Cais Finsocial.

Após denúncia feita pela vereadora Cristina Lopes (PSDB), sobre transferência de servidores e a possibilidade de fechamento do Cais do Finsocial, a CEI quer acompanhar de perto a situação da unidade e convocar todos os responsáveis para prestar esclarecimentos e tomar as providências necessárias para o fim da máfia que se instalou na Capital.

Após denúncia do possível fechamento do Cais Finsocial apresentada pela vereadora Cristina Lopes (PSDB), no início dos trabalhos da Câmara Municipal, em plenário, a Comissão Especial de Inquérito (CEI), que investiga irregularidades dos serviços prestados pela Secretária Municipal de Saúde (SMS), retomou seus trabalhos, nesta sexta-feira (2).

Diligências e requerimentos

Na primeira reunião da CEI deste ano, Cristina Lopes apresentou a denúncia sobre o fechamento do Cais Finsocial e solicitou quatro requerimentos à presidência da Comissão, pedindo informações à secretaria municipal de saúde, Fátima Mrué, referentes ao relatório detalhado dos atendimentos realizados no Cais Finsocial, a quantidade de médicos que atendem na unidade e o porquê da remoção de dois médicos plantonistas, a falta de insumos do serviço de Raio X; e ainda sobre o valor devido ao Instituto de Neurologia, o atraso dos salários e a previsão de pagamento aos servidores do instituto.

Luta contra fechamento do Cais Finsocial

O Cais Finsocial está à beira de um colapso e poderá ser fechado. Esta foi a pauta da reunião da vereadora Cristina com os servidores do Cais Finsocial, nos dias 31 de janeiro e 1 de fevereiro. De acordo com os servidores, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem a intenção clara de propor a remoção dos servidores desta unidade.

A SMS está diminuindo o quantitativo de profissionais que atuam na unidade, reduzindo de forma drástica o atendimento e produtividade. O baixo atendimento, conseqüência da diminuição do quadro de servidores, será a justificativa para o

fechamento do Cais Finsocial, referência da Região Noroeste, a maior região da Capital goiana.

Se a unidade fechar, aumentará ainda mais o sofrimento dos cidadãos que dependem do SUS, sem contar que muitas pessoas morrerão. “Nós, por meio da CEI da Saúde e no exercício do meu mandato como vereadora, lutaremos e resistiremos ao fechamento desta unidade”, afirma a vereadora.

Caso se confirme, o fechamento da unidade agravará ainda mais o atendimento básico de Saúde em Goiânia, abandonada pela administração do prefeito Iris Rezende (PMDB). “A inércia da SMS em relação à anarquia que se instalou na prestação de serviços públicos, afetou todas as áreas da saúde, seja pela falta de insumos, medicamentos, vagas nos hospitais, seja pela falta de pagamento aos servidores.”

Para diminuir a caos na Saúde é necessário um plano de transição, de inovação, de mudança nos antigos modelos de gestão pública, o que não está acontecendo. “Enganar a população, mentir para as pessoas é covardia. Independente de partidos ou bandeiras, o desserviço da saúde municipal está matando pessoas, mutilando indivíduos. Cidadãos, saúde é um direito constitucional!”

Fonte: Ascom

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar

AdBlock detectado!

Nosso site exibe alguns serviços importante para você usuário, por favor, desative o seu AdBlock para podermos continuar e oferecer um serviço de qualidade!