DestaquesJustiçaNotícias

Justiça decreta prisão preventiva de advogada suspeita de integrar o PCC em Goiás

Decisão judicial determina a prisão preventiva de advogada suspeita de fazer parte do Primeiro Comando da Capital (PCC) em Goiás, juntamente com outros envolvidos, após denúncia do Ministério Público por crime de organização criminosa armada

A 2ª Vara dos Feitos Relativos a Organizações Criminosas e Lavagem de Dinheiro decretou a prisão preventiva da advogada A.S.S., após o Ministério Público de Goiás (MPGO) apresentar denúncia contra ela e outros suspeitos por envolvimento com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Entre os acusados estão também W.L.H.R.L. e o advogado B.E.W.J.

Os acusados enfrentarão a acusação de integrar organização criminosa armada, conforme previsto no artigo 2º da Lei nº 12.850/2013, com pena que varia de 3 a 8 anos de reclusão. Segundo investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, os advogados foram aliciados pela facção e faziam parte da chamada Sintonia dos Gravatas, sendo responsáveis por transmitir informações entre membros presos e em liberdade do PCC.

As investigações tiveram início após a apreensão de evidências na residência de um líder nacional da facção em São Paulo. O Ministério Público afirma que os advogados acusados estavam diretamente ligados às atividades do PCC, recebendo ordens e prestando contas à organização. A Operação Sintonia do Crime, que levou à denúncia, foi realizada em maio do ano anterior, com a identificação de membros da facção em diversas cidades goianas. O Mais Goiás tentou contato com a OAB-GO e as defesas dos acusados para comentários, sem sucesso até o momento.

Botão Voltar ao topo
Fechar

AdBlock detectado!

Nosso site exibe alguns serviços importante para você usuário, por favor, desative o seu AdBlock para podermos continuar e oferecer um serviço de qualidade!