Apesar de tentativas de boicote, curso contra Ideologia de Gênero aconteceu na OAB-GO

20 de maio de 2018
por

Prof. Dr. Jean-Marie Lambert, que foi literalmente calado pelo jornal O POPULAR e pela PUC-GO, encontrou dificuldades para falar na ESA OAB-GO sobre a pseudo-científica Ideologia de Gênero, denunciada inclusive pela Associação de Pediatria Americana e por inúmeros médicos e pesquisadores mundo afora.

Na Escola Superior da Advocacia da OAB Goiás o curso foi aprovado por seu diretor-geral Dr. Rafael Lara e contou com o apoio do presidente Dr. Lúcio Flávio que, sendo também professor, abraça como princípios inegociáveis a liberdade de expressão e o contraditório.

No entanto, na véspera do início do curso Direito, Sociedade, Ideologia e Gênero, os organizadores do evento foram surpreendidos com a designação de novo local para as aulas, distante da sede da ESA e sem estacionamento próprio. A nova determinação partiu de um membro menor da diretoria da ESA e não de seu diretor-geral que jamais voltaria com sua palavra, ainda mais para censurar o debate de ideias.

Infelizmente, alguns membros de instituições se transformaram em instrumentos do lobby gay, ditador e totalitário, o qual se arroga até o direito de impor à sociedade o que esta deve pensar, falar, como deve educar seus filhos.

A despeito da tentativa de interferência, a aula ocorreu de maneira tranquila. O professor Jean-Marie Lambert teve garantido seu direito à livre expressão e os alunos puderam assistir o evento sem sobressaltos. A prometida manifestação do lobby LGBT não aconteceu. Foi um blefe.

O politicamente correto polícia da consciência do marxismo cultural,  hegemônico nas mídias, universidades e artes brasileiras, é a imposição de um novo sistema civilizacional, artificial, anticristão, abençoado pela ONU e patrocinado por elites milionárias internacionais. É o “Admirável Mundo Novo”, distópico, sufocante, anti-natural e que precisa ser combatido, antes que seja tarde.

Dessa vez foi o professor Lambert, amanhã pode ser qualquer um, inclusive você, impedido de defender e sequer mencionar valores que você preza e acredita, apenas para não contrariar a patrulha dos ofendidos.