NotíciasSaúde

Dia Mundial do Vitiligo

Dia Mundial do Vitiligo busca conscientizar a sociedade em relação ao preconceito contra a
doença, que não é contagiosa e se manifesta em manchas brancas na pele
O vitiligo é uma doença crônica caracterizada pela perda da coloração da pele. Suas formas
de manifestação são manchas brancas que podem estar isoladas ou espalhadas pelo
corpo, principalmente nos cotovelos, joelhos, rosto, mãos e pés, além de genitais. Embora
não provoque o adoecimento físico nem seja transmissível, ainda gera muito preconceito
por parte da população, inclusive pelo próprio paciente. A médica dermatologista do
Sistema Hapvida, Isabela Corral esclarece que o vitiligo é uma doença de pele autoimune,
ou seja, o organismo produz anticorpos contra a própria célula que produz a cor da pele,
que é a melanina. “Pode ser uma doença com características genéticas, pode vir
acompanhada de outras doenças autoimunes, como doença de Crohn, doença de

 

Hashimoto, mais conhecido como hipotireoidismo”, explica a especialista.
Por outro lado, o vitiligo tem relação direta com a saúde emocional e a psicológica, já que
fatores externos podem contribuir para o aparecimento ou agravamento das lesões. “Como
na maioria das doenças autoimunes, os fatores emocionais como estresse, ansiedade e
depressão podem desencadear o processo da doença”, enfatiza a especialista.
Para a contabilista Samara Rodrigues de Siqueira, 28 anos, a ansiedade e o estresse,
certamente, contribuíram para o desenvolvimento do vitiligo na sua vida. De acordo com
ela, as marcas nos pés apareceram depois de uma lesão provocada por uma sandália. “Eu
sempre fui muito ansiosa, e a lesão apareceu depois do meu primeiro casamento, mas eu
só descobri que era vitiligo alguns anos depois. Ao ser diagnosticada, iniciei o tratamento
para evitar o alastramento das manchas. E graças ao acompanhamento as lesões se
mantêm nos pés. As manchas não me incomodam, o que me incomoda são as perguntas.
Mas, aprendi a conviver com isso também. Não me abalo com preconceitos, as manchas
estão aqui e vão ficar. Elas já fazem parte de mim”, relata Samara.

 

A dermatologista destaca ainda que a vida de quem tem vitiligo é absolutamente normal,
trata-se mais de uma questão estética do que de saúde física. Alguns cuidados devem ser
tomados, a exemplo da exposição ao sol. “As lesões devem ser mais protegidas do sol
porque é mais propícia à queimadura solar. Além disso, é importante ressaltar que qualquer
procedimento de corte ou cirurgia feito em paciente de vitiligo tem grandes chances de
desenvolver novas lesões no local da cicatrização. Então, esses cuidados são fundamentais
para evitar o aumento das manchas”, explica Dra. Isabela.
Quanto ao diagnóstico, a especialista afirma que é basicamente clínico e deve ser feito
exclusivamente pelo dermatologista, que vai determinar o tipo de vitiligo, averiguar os
fatores de risco e indicar a terapia mais adequada. “O tratamento visa cessar o aumento
das lesões e repigmentar a pele. Incluem corticosteroides, inibidores da calcineurina,
fototerapias com radiação ultravioleta B e A, laser e transplante de melanócitos, além de
algumas novas medicações em fase de pesquisa”, relata Dra. Isabela Corral.

No próximo sábado, 25, é celebrado o Dia Mundial do Vitiligo, a data foi escolhida pela
sociedade médica para alertar e conscientizar a população a respeito da doença,
especialmente para acabar com as manifestações de preconceito. Além das campanhas de
conscientização vale lembrar também, a contribuição que a ex-BBB, Natália Deodato,
promoveu acerca de maior visibilidade para o vitiligo. “Assim como a Natália, de acordo com
a Organização Mundial de Saúde (OMS), o vitiligo afeta mais de 150 milhões de pessoas
em todo o mundo. E apesar de não ter cura, tem tratamento para reversão ou paralisação
das lesões”, ressalta Dra. Isabela.

Quais as partes do corpo mais afetadas pelo vitiligo?

O vitiligo pode se manifestar em qualquer parte do corpo ou couro cabeludo. Segundo a
dermatologista do Sistema Hapvida, o aparecimento das lesões e o resultado do tratamento
depende de cada paciente. “Em alguns casos, o vitiligo pode ser reversível. Nós sempre
falamos que é uma doença individual, que depende da localização das lesões, da idade do
paciente. A resposta não é 100% igual, mas existem diversas opções de tratamento como
pomadas de uso tópico, algumas medicações orais, procedimentos como fototerapia, entre
outros”, esclarece.
“A vida de quem tem vitiligo é normal. Porém, as lesões podem ter significativos impactos
na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Em situações assim, o acompanhamento
psicológico é recomendado, ” pontua a dermatologista.

Botão Voltar ao topo
Fechar

AdBlock detectado!

Nosso site exibe alguns serviços importante para você usuário, por favor, desative o seu AdBlock para podermos continuar e oferecer um serviço de qualidade!