Lincoln Tejota diz que repressão à criminalidade contará com o fortalecimento das tropas policiais

Durante a passagem de comando das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), o vice-governador ressaltou o rol “de excelentes profissionais presente nas forças de segurança de Goiás”. Ele acompanhou o governador Ronaldo Caiado e a primeira-dama do Estado, Gracinha Caiado

7 de janeiro de 2019

O vice-governador Lincoln Tejota reforçou que o governo atuará incansavelmente no fortalecimento das forças policiais e, com isso, reprimir a criminalidade e apresentar resultados positivos à população. As declarações foram dadas durante a passagem de comando das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), ocorrida na manhã desta segunda-feira, 7, na sede do grupo especializado. Ele acompanhou o governador Ronaldo Caiado e a primeira-dama do Estado, Gracinha Caiado, além do titular da SSP.

Durante a solenidade, ocasião em que tomou posse à frente da instituição o tenente-coronel Benito Franco, o vice-governador ressaltou, ainda, o rol “de excelentes profissionais presente nas forças de segurança de Goiás”, fato este que, segundo Lincoln, possibilita o aprimoramento das ações policiais no Estado. Franco, que sucede no cargo o tenente-coronel José Diógenes Câmara, tem 38 anos e serve à Polícia Militar de Goiás há mais de 20 anos.

O vice-governador reconheceu que há uma demanda por segurança, e que a determinação do governador Ronaldo Caiado é de “saldar compromissos feitos à população, mas com respeito à legislação vigente e em consonância com a realidade fiscal do Estado”, disse. E a exemplo do governador Ronaldo Caiado, completou: “a criminalidade não vai comandar Goiás”.

Ação ostensiva

Ao discursar à tropa, o governador Ronaldo Caiado foi incisivo ao falar que “ninguém está acima da lei. E é com inteligência e trabalho ostensivo que enfrentaremos a criminalidade em Goiás”, pontuou. E ressaltou que a Rotam tem como atribuições atuar em áreas de índices criminais elevados, em operações de alto risco e em gerenciamento de crises.

O Batalhão de Rotam possui hoje um efetivo de 300 policiais altamente qualificados para situações de alta complexidade. A tropa recebe treinamento especial de três meses, em que é testada em seus limites físicos, psicológicos e intelectuais. É a segunda malha protetora do Estado, atuando onde há maior dificuldade para manutenção da segurança.

Desafios

Segundo o novo comandante da Rotam, tenente-coronel Franco, dentre os principais desafios da sua gestão está a necessidade de se reforçar a base da Rotam criada em 2017 no Jardim Ingá, em Luziânia, Entorno do Distrito Federal. Outro esforço do novo comandante será no sentido de consolidar a parceria com o serviço de inteligência da Polícia Militar para que a unidade possa agir de forma mais eficaz.