Caiado X Caiado

1 de agosto de 2018

Líder nas pesquisas, Ronaldo Caiado enfrenta a dificuldade de colar o discursos que Eliton não é bom para Goiás. 

Os pré-candidato Ronaldo Caiado e José Eliton já brindaram no mesmo cálice.

Vídeos e declarações demonstram o apreço de um pelo outro. Em 2010, foi Ronaldo Caiado que acatou a sugestão dos membros do DEM e homologou, contrariando os aliados de Marconi, o nome de José Eliton para vice de Marconi Perillo.

No primeiro dia, do dia 01 de janeiro de 2011 às 8:00 da manhã, ao abrir o Palácio, a vice governadoria já estava repleta de Caiadistas.

José Eliton pagou com gratidão, a Caiado, o apoio, não com traição, como tentam emplacar. Ao contrário. E ao bom senso: nunca se ouviu de Eliton uma palavra em desfavor pessoal de Caiado. Vice- versa.

Caiado não desqualifica Eliton – e sim, o governo continuado pelo atual governador.

Eliton afastou do governo as pessoas de Vilmar Rocha: ex-adversário de Caiado. Não as pessoas de Caiado.

E quando se fala de criatura e criador, cada um criou seu monstro. Caiado anunciou (ao lançar vice) seu futuro adversário, assim como Eliton, foi o primeiro, e quase único, do governo, a anunciar e apoiar a candidatura de Ronaldo Caiado ao Senado (isso em 2011).

Caiado não subiu no Palanque de Marconi Perillo em 2010 – em nome da coerência. Mas, subiu no de Eliton vice governador. Eliton não subiu no Palanque de Caiado para o Senado – pois, àquela altura, não precisava de nenhuma bola de cristal para saber que a eleição de 2018 seria Caiado contra Caiado. Mas, o atual adversário já estava consolidado.

Para Eliton – que ganhou musculatura e apresenta-se como perfil de renovação e reconstrução de um tempo que se propõe reconstruir e renovar, melhor ser ele mesmo.

José Eliton ganhou a simpatia de Marconi e marconistas. Caiado, a da oposição. Mas no fundo e, ao fim, e ao cabo, possuem essências parecidas. E se os correligionários buscarem perceber: não falam um do outro.

O programa de governo que mudou. A forma de chegar ao poder também. Não há perfeições – o melhor – é política, jogada, sabida, calculada e executada em um xadrez sem vencedores.

Existe um cansaço. Não de Marconi – que se renova a cada eleição– ao menos de Eliton. Mas dos Zé´s, João´s e as caveiras que desde 1998 só mudam de lugar – Detran, Sefaz, Secretaria de Governo, Controladoria – Saneago , entra governo, sai governo, nada de novo. Até pagar R$ 0,93 centavos por acesso a blog para falar de adversários e de quem trabalha, a república pirenopolina cometeu.

José Eliton e Caiado, qualquer um eleito, é esperança de se renovar, mudar, alternar as velhas caras do governo.

Mas, ao certo, Ronaldo Caiado, desde 1998, de alguma forma, permanece no governo. É Marconi, pagando com gratidão.